Bom dia!
Guajará Mirim, RO
sexta-feira, 25 de maio de 2018 10:46:30
Notícias

Prisão em flagrante é inválida quando polícia entra em casa


Quinta-feira, 2 de março de 2017 23:28:23


A inviolabilidade do domicílio não é um direito absoluto, mas só pode ser afastada quando há elementos concretos de crime. Com esse entendimento, a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região manteve decisão de primeiro grau que relaxou a prisão de um homem preso na própria casa, durante a noite, após uma denúncia anônima que informava a existência de um automóvel com cigarros contrabandeados em frente ao endereço.

Policiais militares foram até o local e, como não encontraram o carro, decidiram entrar na casa, onde apreenderam cigarros estrangeiros sem documentos de importação e prenderam o morador em flagrante delito. O suspeito, porém, conseguiu ser solto em audiência de custódia – que analisa a validade da prisão.

Para a 2ª Vara Federal de Bauru (SP), foi ilegal o ingresso dos policiais na residência. O juiz disse que eles desconheciam a existência dos cigarros no interior da casa e, portanto, inexistia o flagrante.

O Ministério Público Federal recorreu, alegando que em caso de flagrante delito a regra da inviolabilidade do domicílio pode ser afastada e que o mandado judicial seria dispensável mesmo tendo a prisão ocorrido durante a noite, diante da hipótese de flagrante delito.

Já o relator, desembargador federal Paulo Fontes, declarou que “a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial”, conforme o artigo 5º, inciso XI, da Constituição Federal.

Fontes afirmou que a entrada forçada no domicílio deve ser fundamentada em justa causa, que deve ser analisada posteriormente em controle judicial. O relator também citou decisão do Supremo Tribunal Federal que considerou arbitrária entrada forçada em domicílio sem justificativa prévia, mesmo diante de situação de flagrância posterior (RE 603.616). O voto foi seguido por unanimidade. Com informações da Assessoria de Comunicação Social do TRF-3.

0015211-95.2016.4.03.0000

Revista Consultor Jurídico

 

fonte: Rondonoticias


Essa Notícia foi Visualizada 400 vezes

Vídeos

Mais Notícias
Terça-feira, 22 de maio de 2018 21:00:34
FORAGIDO DE GUAJARÁ-MIRIM É PRESO ESCONDIDO EM PORTO VELHO
Terça-feira, 22 de maio de 2018 20:47:00
MOTOCICLETA É FURTADA DE RESIDÊNCIA EM NOVA DIMENSÃO
Sábado, 19 de maio de 2018 23:53:49
NOTA DE PESAR DO PARTIDO PSDC
Sábado, 19 de maio de 2018 20:31:13
CORPO DO EMPRESÁRIO “NICO” É ENCONTRADO SEM VIDA
Ver Lista Completa