Segunda, 17 de Janeiro de 2022
26°

Pancada de chuva

Guajará-Mirim - RO

Justiça JUSTIÇA

Acusado de matar família inteira a tiros ainda continua foragido

Tanus dos Santos matou com tiros na cabeça uma criança de cinco anos,

13/01/2022 às 08h19
Por: João Teixeira Fonte: Agora Guajará - Com informações do Rondoniaovivo
Compartilhe:
Divulgação
Divulgação

Continua foragido o criminoso, Tanus dos Santos de 30 anos, acusado de ser o autor de uma bárbara chacina ocorrida no dia 30 de dezembro de 2013 no município de Guajará-Mirim.

Tanus dos Santos matou com tiros na cabeça uma criança de cinco anos, que se estivesse vivo hoje completaria 14 anos, um adolescente de 16 anos, a ex-mulher Luciene Lima de Freitas na época com 28 anos e o ex-cunhado Jokley Lima de Freitas que tinha 21 anos.

O assassino chegou a ser preso, mas fugiu no dia 11 de abril do ano de 2016 da Penitenciária Estadual Edvan Mariano Rosendo, conhecida como Pandinha, localizada na Estrada da Penal, na zona rural de Porto Velho. 

Tanus se entregou à Polícia Civil acompanhado de um advogado dois dias após o crime, na época dos fatos, cerca de 300 pessoas tentaram invadir a delegacia Regional de Polícia Civil de Guajará-Mirim para tentar linchar o suspeito. Com o tumulto, a delegacia foi depredada e alguns policiais ficaram levemente feridos.

No dia das manifestações uma pessoa foi atingida por uma bala de borracha, nenhum deles foi preso e como medida de segurança, Tanus foi transferido para o Presídio Pandinha na capital.

O crime chocou a população rondoniense e todo o Brasil, pois foi amplamente divulgado em rede nacional, pelo na época apresentador do Programa Cidade Alerta, saudoso Marcelo Resende.

Tanus era filho de empresários e estudou em escola particular, e a motivação para os quatro assassinatos teria sido por ciúmes da ex-namorada dele Luciene.

A justiça alega que as investigações para tentar recapturá-lo nunca pararam inclusive com informações confidencias que foram trocadas nos últimos meses com policiais de outros países, como Espanha e Bolívia onde solicitaram apoio da Interpol, mas o criminoso continua impune.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.