Quarta, 25 de Maio de 2022
23°

Poucas nuvens

Guajará-Mirim - RO

Destaque MORDIDA DE TUBARÃO

Fernando de Noronha: turista de Rondônia é mordido por tubarão na Cacimba do Padre

Animal mordeu o turista no começo da tarde desta quinta-feira. Homem estava na Praia Cacimba do Padre. Ele foi atendido no hospital da ilha e já recebeu alta

21/04/2022 às 23h24
Por: João Teixeira Fonte: JC
Compartilhe:
Divulgação
Divulgação

Um turista de 34 anos de Rondônia foi mordido por um tubarão, nesta quinta-feira (21), feriado de Tiradentes, no arquipélago de Fernando de Noronha. O incidente ocorreu no começo da tarde, na Praia da Cacimba do Padre.

Ele deu entrada no Hospital São Lucas, em Noronha, por volta das 15h. Segundo a assessoria de imprensa da ilha, o turista foi atendido pela equipe de plantão. Chegou consciente e orientado. Foi feito um raio-x, dada medicação e realizada sutura no local do ferimento. O rapaz já recebeu alta. 

                                 

                                         Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha - BRUNO LIMA/MTUR

No final de janeiro deste ano, também em Noronha, uma menina de 8 anos foi mordida na perna direita por um tubarão na Praia do Sueste. Ela teve o membro amputado.

SOCORRO

A administradora pernambucana Janine Azevedo, 28 anos, está neste feriado de Tiradentes visitando a ilha com o marido e a filha. Eles chegavam na praia no momento em que o rapaz estava sendo socorrido.

"Ele estava gemendo muito com dor. Vários homens o carregaram numa cadeira de praia até um carro para ser levado para o hospital. O comentário lá era de que ele teria sido mordido por uma raia e não por um tubarão", contou Janine.

"Havia bastante gente na praia. Na hora todos saíram do mar, acho que com medo. Mas não demorou muito e voltou ao normal", comentou Janine. Segundo testemunhas, o turista está em Noronha com sua mãe.

"Mesmo com esse incidente, não tive medo de tubarão. Tive receio porque o mar estava agitado, com ondas muito fortes", afirmou Janine.

HISTÓRICO

O ataque de tubarão a um turista em Fernando de Noronha, nesta quinta-feira (21), é o décimo registrado desde 2015 na ilha, segundo o Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit). Nenhum com morte.

Levantamento do órgão, vinculado ao governo estadual, mostra que foram quatro banhistas e cinco surfistas vítimas de tubarões. O caso desta quinta, evidentemente, ainda não está anotado pelo Cemit, que mostra as ocorrências até o último dia 25 de fevereiro.

A Praia da Cacimba do Padre, justamente a que ocorreu o episódio nesta quinta, aparece com três registros. Baía do Sueste e Praia da Conceição tiveram dois casos, cada uma. Os demais foram nas Praias do Leão e do Bode.

Entre as nove vítimas, quatro levaram mordidas nas pernas, três em um dos braços, um na mão e outro na face e pescoço.

Especialista faz alerta

O professor do Departamento de Engenharia de Pesca da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Jonas Rodrigues, disse que apesar da pouca gravidade do ataque de hoje é preocupante o que está acontecendo em Noronha.

"Este é o décimo ataque de tubarão em Noronha desde 2015, é um sinal de que é preciso tentar entender porque está havendo essa interação maior entre o animal e os banhistas", alertou o professor.

Professor Jonas disse ainda que já há estudos sobre os tubarões de Noronha mas, especificamente em relação aos ataques, ele entende que deveriam ser tomadas medidas imediatas para tentar evitar novos incidentes.

"As praias da ilha poderiam ser sinalizadas de acordo com o risco maior ou  menor de ataques de espécies nativas. Além disso, poderia haver um trabalho maior de educação ambiental com os visitantes que chegam à ilha, com a realização de palestras sobre a fauna local, explicando os hábitos dos principais animais e os riscos e cuidados que o visitante deve observar ao entrar no mar", afirmou o professor.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.